Em manifestação, condutores escolares de SP bloqueiam o Viaduto do Chá no dia 21

Clique para ampliar
Clique para ampliar

Os condutores escolares da cidade de São Paulo realizaram no último dia 21 de janeiro uma manifestação contra o Credenciamento do Transporte Escolar Gratuito (TEG) proposto pela Prefeitura de São Paulo.

Durante a manifestação, os condutores travaram o Viaduto do Chá e solicitaram uma reunião com o Prefeito.

A proposta era retirar retirar os veículos estacionados somente depois de uma resposta da Prefeitura sobre o Credenciamento do TEG.

Desde a madrugada os os condutores saíram de vários pontos de concentração nos bairros e se reuniram no Pacaembu, de lá saindo antes de 8h da manhã em direção à Prefeitura.

Devido à manifestação, uma comissão dos condutores conseguiu entrar na Prefeitura para reunião por volta das 10h da manhã, lá permanecendo até próximo de 13h da tarde.

O prefeito de São Paulo, Fernando Hadad, sequer recebeu os condutores escolares durante a manifestação.

Clique para ampliar
Clique para ampliar

Na reunião, a comissão dos condutores foi recebida apenas pelo sub-secretário Ronaldo, que ouviu as reivindicações dos condutores escolares e apenas informou que no dia seguinte (22) às 11h em uma reunião na SME será dada uma resposta sobre as reivindicações.

Diante disso, os condutores fizeram assembléia e decidiram em conjunto qual decisão seria tomada a partir daquele momento, vez que esperavam uma resposta positiva no mesmo dia.

Muitos condutores afirmaram estar dispostos a pernoitar onde estavam estacionados na frente da Prefeitura até o dia seguinte, não retirando os veículos.

Por volta de 16h, um grupo de condutores escolares deixou os carros estacionados no Viaduto do Chá e seguiu a pé, fechando as 2 pistas da Av 23 de Maio com faixas e cartazes.

Clique para ampliar
Clique para ampliar

Apesar grande manifestação, o prefeito não recebeu os condutores escolares, fazendo pronunciamento apenas pela TV, na qual afirmou que no novo contrato haveria uma maior remuneração, e que os condutores escolares seriam escolhidos pelos pais das crianças.

Em outro momento, o Secretário de Transportes, Jilmar Tatto, não demonstrando muito tato para lidar com a situação, afirmou em rede de TV que era tudo apenas uma questão comercial e de mercado, e que os condutores escolares que achassem que o “negócio não vira, que buscasse outro mercado”, o que causou muita revolta na categoria.

Por volta de 18h, os condutores escolares retiraram os veículos estacionados no Viaduto do Chá e retornaram em carreata para as quatro grandes regiões da cidade, de onde haviam saído na madrugada.

Ficou decidido entre os condutores que uma nova manifestação deveria ocorrer no dia seguinte (22), a partir de 8h da manhã, em frente à SME, na Rua Borges Lagoa, nº 1230, para que pressionassem a resposta a ser dada pela Prefeitura sobre o Credenciamento.

Por Antonio Félix