DTP está pior que SUS: madrugada, senhas, filas e mal atendimento.

Mal Atendimento
clique para ampliar

O atendimento no Departamento de Transportes Públicos (DTP) no centro de São Paulo vem deixando à beira de um ataque de nervos os usuários que necessitam dos serviços daquele órgão.

Na sexta-feira (05) recebemos fotos, áudios e informações sobre o uso de força policial para manter a ordem e conter a revolta dos usuários que lá estavam buscando atendimento.

Segundo as informações, quem quiser ser atendido tem que chegar por volta de 1h da manhã e aguardar a entrega de senhas. Estas senhas são limitadas em número de 200 a 300 por dia. Quem chega no início da manhã ás 6h ou 7h não acha mais senha.

A reclamação de muitos usuários no dia 05 (sexta) foi tanta que a administração chamou o policiamento do GCM com medo da revolta dos usuários.

Em um áudio, uma condutora idosa reclama que teve de chegar às 5h da manhã e não havia cadeira pra sentar. Também reclama que teve que ir vários dias seguidos, em que a cada dia resolve uma coisa e volta pra tirar outra taxa, e resolver outra coisa no dia seguinte.

Percebe-se que não há um atendimento sistematizado, pois um fluxograma bem elaborado faria com que cada serviço atendido fosse sendo direcionado ao próximo passo no atendimento, e assim sucessivamente, de forma que o usuário seria bem orientado e resolveria todos os itens em um mesmo dia, ou pelo menos em menor tempo.

Vale ressaltar que o usuário que necessita deslocar-se até o órgão não recebe nenhum benefício em troca, ele vai ali tão somente em busca de regularidade e legalidade no serviço que presta à sociedade.

Em boas palavras populares: “a pessoa vai lá apenas deixar dinheiro”. O DTP é apenas um dos tantos órgãos do município que apenas arrecada e pouco dá em retorno ao usuário.

É inaceitável que uma pessoa tenha que madrugar desde 1h da manhã para se deslocar até o DTP e receba uma senha por volta de 6h ou 7h da manhã, para um atendimento que inicia às 8h da manhã.

Mais inaceitável ainda é que esta mesma pessoa tenha que passar o dia inteiro no DTP até que consiga resolver tudo.

Estas pessoas que buscam o DTP, buscam somente com o intuito de andar regularizadas, de cumprir a lei, de efetuar o pagamento de taxas e realizar vistorias em veículos, os quais são utilizados para prestar um serviço de qualidade à população.

São exatamente estas mesmas pessoas regularizadas, legalizadas, que sofrem com a inércia do órgão também quanto à fiscalização de quem não tem essa atitude.

O DTP não peca apenas no atendimento de quem vai lá buscar o serviço dentro da lei, peca mais ainda quando não fiscaliza os que não cumprem a lei e andam irregulares pela cidade.

Quem anda regular sofre para ser atendido no DTP e sofre com a concorrência predatória que os não regularizados praticam na cidade. A quantidade de clandestinos é imensa em todas as atividades que dependam de fiscalização, seja no transporte escolar, fretado ou táxi.

Devido não fazer o pagamento das inúmeras taxas cobradas pelo DTP, nem de realizar as vistorias necessárias, vistorias essas que para aprovação do veículo dependem de uma série de pré-requisitos como pneus em bom estado, todas as lanternas funcionando, adaptação em abertura de vidros e assentos, conferência de cintos de segurança e vários outros itens, os condutores de veículos clandestinos cobram um valor mais baixo.

É urgente que haja um atendimento mais digno e que estes usuários não sofram essa humilhação e descaso para ir apenas entregar dinheiro à Prefeitura.

Mais urgente ainda é que a SMT cumpra seu papel e faça um trabalho de fiscalização junto aos clandestinos para que acidentes graves sejam evitados e os prejuízos aos que andam regularizados seja minimizado.

É urgente que trabalhem e dêem retorno para o dinheiro que recebem, dinheiro das inúmeras guias que muitos estão se humilhando e sendo maltratados nas madrugadas e em dias inteiros no DTP.

Esse tratamento aos usuários do DTP até que não é muito de se estranhar, já que o Secretário de Transportes, Jilmar Tatto, com todo seu tato, ao falar sobre as inúmeras reclamações dos condutores escolares no mal formulado Credenciamento do TEG, afirmou em rede de TV em alto e bom som: “se não vira, sai”.

Em nossa publicação sobre esse assunto no facebook na sexta, alguns usuários manifestaram espontaneamente sua indignação, que demonstramos abaixo, na expectativa de que alguém do DTP leia e busque melhorar seu atendimento.

Eu fui na segunda feira dia 1° peguei a senha as 10hs e fui atendida às 14:40hs bloco d, fui as 15:50hs para o Sargento me terminar a vistoria e recebi a notícia de que teria de voltar no outro dia porque eles já haviam terminado o atendimento, sendo que o horário é até as 16:30hs!!!! Descaso é pouco, pagamos por um serviço de Merda e se for reclamar, dizem que é Desacato a autoridade!!! Fala sério??? Revoltada com esse órgão DTP/ Detran“, afirma Andrea Nascimento.

“Essa semana tbm tive que ir lá e forram 3 dias para finalizar e no último dia cheguei as 8:00 e sai as 16:25,cada vez pior”, afirma Sonia Nascimento.

Verdade eu estava lá nesta hora…o pessoal estava querendo quebrar tudo!!! Mas neste momento tbm so tinha duas ou três atendendo, quando o povo se revoltou eles colocaram mais quatro pessoas pra atender, e é sim um tremendo descaso para conosco“, afirma Carla Silva.

Atendimento sempre foi um lixo… Em algumas épocas melhora um pouco e depois piora tudo de novo e num nível de dar nos nervos… Já vi mta gente passando mal e desmaiando de tanto nervoso, descaso, incompetência desse órgão q não deveria existir“, afirma Júnior Teixeira.

Fico indignada com falta de respeito ou despreparo dos atendentes, não passam informação completa, nos que precisamos usar esse órgão público, passamos muito nervoso, a resposta sempre e a mesma o sistema não aceita, precisamos de pessoas pensante no DPT, funcionário que saiba que nos que usamos e quem paga toda aquela estrutura e funcionário, pessoas que gosta do que faz“, afirma Eliana Alcantara.

Eu estive hoje lá e vi tudo de perto, já é o segundo dia que vou e nao consigo ser atendida pra imprimir um boleto do CRM, contemplei policiais de montes para os trabalhadores que lá se encontrava pra pagar seus impostos“, afirma Marcinha Maciel.

Por Antonio Félix