Câmara não é pra quem tem cama: Haddad vai regularizar Uber por decreto mesmo sem apoio

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse que vai regulamentar por decreto a utilização de aplicativos de transporte até o fim deste semestre, conforme entrevista à rádio CBN na manhã desta quinta-feira (5).

A medida vai em sentido contrário ao que está ocorrendo na Câmara de Vereadores, que sob forte pressão de taxistas, suspendeu ontem (4) a votação do projeto que regulariza aplicativos de transportes, entre eles o Uber.

Como a Folha de S.Paulo havia adiantado há dias atrás, Haddad busca um desfecho rápido para o assunto, ao contrário de alguns vereadores, que querem empurrar a decisão para depois das eleições, na tentativa de não se desgastarem politicamente.

Os taxistas afirmam que vão resistir a qualquer tentativa de regulação dos aplicativos, bem como fizeram denúncias ontem (04) de que Haddad tem um sobrinho (filho de sua irmã) como diretor operacional da Uber, e que estaria agindo por interesse, o que o prefeito nega.

Além de legalizar o polêmico Uber, a ideia de Haddad é fazer também a regulamentação de aplicativos de carona e de aluguel de carros particulares.

Esta regulamentação do Uber e de outros aplicativos seria feita por meio da venda de créditos on-line.

Pelo modelo, a empresa responsável pelo aplicativo teria de comprá-los da prefeitura para poder rodar na cidade, de forma que a gestão municipal teria informaçoes sobre as viagens e estabeleceria um limite de carros nas ruas.

Além de se desgastar policitamente com a categoria dos taxistas da cidade, Haddad também não deve estar sendo bem acolhido pelos 10 mil adquirentes do alvará de táxi preto a preços altíssimos no início deste ano.

Além de pagar muito caro pelo novo alvará (uma dívida de 60 mil reais pela licença), os adquirentes amargaram filas imensas e pela madrugada em atendimento precário no Departamento de Transportes Públicos.

O aumento dessa demanda de licenciamento do alvará de táxi preto ocorreu concomitante com o cadastramento dos veículos de transporte escolar gratuito (TEG), uma desorganização que ainda hoje causa atraso no pagamento destes prestadores de serviços.

Já muito criticado pelas ciclovias e radares, Haddad coleciona novas rusgas com a cidade e com a Câmara, casa na qual muitos vereadores nunca esqueceram de que o Prefeito justificou sua pouca frequência no plenário porque considera os seus membros com pouca inteligência para promover um debate digno de sua sapiência.

Se as plumas da cama de Haddad estão a acariciar em demasia o seu ego a ponto de influenciar sua teimosia na implantação de ações que às vezes beiram a loucura, só em outubro isso será conhecido.

É como diz o velho ditado popular: quem faz a fama deita na cama!

Por Antonio Félix