Audiência Pública irá debater transporte clandestino escolar, coletivo e turístico

Após pesquisa constatar que, proporcionalmente para cada 1 legalizado existem 3 clandestinos, os vereadores estão se mobilizando para solicitar providências que venham a fortalecer o trabalho das categorias organizadas da cidade.

Um Requerimento, de autoria do Vereador Luiz Queiroga (202/2016), já aprovado em plenário, prevê a realização de uma Audiência Pública para debater ações, in loco, que venham a neutralizar o trabalho clandestino de táxi, de moto táxi e vans de turismo e escolar.

Os dados apresentados por uma pesquisa interna dos setores de atendimento aos turistas e pelos trabalhadores do transporte de táxi e de mototáxi da cidade, está mobilizando o legislativo iguaçuense em pedir uma maior fiscalização dos órgãos competentes (Foztrans, Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal e o Poder Executivo) no sentido de combater o transporte clandestino.

Dados apontam que, hoje existe em Foz do Iguaçu três veículos ilegais, entre mototaxistas, vans de turismo e táxis, para cada um motorista legalizado.

As Vans irregulares e o mototaxistas clandestinos são os setores que mais estão desencadeando ações de desrespeito as legislações municipais e até mesmo nacional, pois não oferecem segurança ao cidadão, bem como ao turista.

Perto do posto de fiscalização da polícia, próximo a aduana Brasil / Paraguai, segundo dados apontados pelos setores organizados, existem vans clandestinas que oferecem corridas para os turistas que visitam Ciudad Del Leste, no Paraguai, por preços fora do preço de mercado, o que acaba fortalecendo a concorrência desleal.

Já para os motos taxistas, a clandestinidade vem crescendo e avançando cidade a dentro. Antes, a atuação da moto táxi clandestino se limitava apenas a região da Ponte Internacional, agora, eles estão adentrando a cidade e trazendo os clientes até os bairros mais longínquos.
Além da atuação ilegal, o preço da corrida chega a ser 60% menor do valor real cobrado pela categoria.

Segundo o parlamentar proponente da audiência, “a reivindição é séria, pois centenas de pais de família estão sendo prejudicados pela atuação irregular e clandestina daqueles que estão concorrendo deslealmente com os serviços. Na verdade, estes estão prestando um desserviço à cidade, que tem zelo ao turista e ao seu cidadão”, disse Queiroga ao comentar o pedido dele.

“Nesta audiência vamos traçar ações e criar um plano de combate a clandestinidade juntamente com as autoridades policiais e fiscalizatórias da cidade. Assim, queremos conservar o emprego destes profissionais que atuam de forma legal na fronteira e que, de alguma forma não estão conseguindo manter a renda familiar devido a atuação dos chamados piranheiros”, destacou o parlamentar.

A Audiência Pública ainda não tem data para acontecer, mas já está sendo considerada pelos setores organizados da cidade, como um “ato de desabafo” das categorias de taxistas, mototaxistas e vans de turismo. Participarão deste ato, também, os proprietários de vans escolares.

Fonte: Câmara Foz