Haddad definitivamente agita SP: Sindicato de ônibus urbanos fará protesto em Sexta-Feira 13 sem transporte

 

Sindicato da categoria de ônibus urbanos organiza uma paralisação de advertência para esta sexta-feira (13) entre as 10h até o meio-dia como forma de manifestação contra a gestão municipal.

Os motoristas e cobradores de ônibus deverão realizar o protesto parando os veículos nas ruas, corredores e também fechando os terminais.

Hoje pela manhã, representantes do Sindmotoristas, sindicato que representa os motoristas e cobradores de ônibus da capital, distribuiu nos terminais de ônibus uma carta aberta à população, na qual critica a gestão Fernando Haddad em relação à administração dos transportes públicos.

A categoria está em campanha salarial, onde os trabalhadores pedem aumento salarial real de 5% mais a recomposição da inflação, Participação nos Lucros e Resultados – PLR de R$ 2 mil e vale-refeição diário de R$ 25.

Os empresários, através do SPUrbanus, sindicato que reúne as viações que operam o sistema estrutural, alegam que não têm condições de cumprir as reivindicações dos motoristas, cobradores e demais funcionários, em função da prefeitura de São Paulo estar em atraso com os repasses em relação às gratuidades.

A prefeitura nega atrasos constantes, porém foi matéria recente há algumas semanas que a Prefeitura vem encontrando dificuldades em analisar e calcular diariamente os valores de repasses às empresas que operam o sistema, chegando a atrasar por até uma semana em alguns momentos.

Na carta aberta à população, o Sindmotoristas não cita a campanha salarial, mas critica a política de gratuidades da prefeitura, como a ampliação de benefícios para estudantes e categorias trabalhistas, classes de servidores e a redução de 65 para 60 anos na idade exigida para que o cidadão tenha direito à gratuidade como idoso.

De acordo com a carta, o ato da prefeitura em relação aos benefícios do Bilhete Único foi “populista e eleitoreiro”, tendo como resultado um “alto custo” que “agora é jogado para os trabalhadores do segmento de ônibus pagar”, através do sucateamento do sistema e da política baixa de remuneração e benefícios.

No aspecto das gratuidades e da condição financeira delicada do sistema, empresários do setor e sindicato dos trabalhadores têm discursos semelhantes, ambos estão p. (descontentes) com a gestão municipal.

O sindicato da categoria também critica o processo de licitação dos transportes da cidade de São Paulo que está barrado desde novembro pelo TCM, pois a licitação prevê uma reorganização das linhas que deve diminuir a frota, causando desemprego no setor, mencionando ainda a já suada luta contra a retirada dos cobradores de ônibus do sistema.

Que São Paulo é uma cidade que nunca dorme, isso já é cultural e conhecido pelo país afora, mas que vive 24h em convulsão social e agitação frenética de categorias de trabalhadores em protesto pelas ruas, isso é mérito da atual gestão.

Por Antonio Félix

Com informações do Blog Ponto de Onibus