Prefeitura de SP corta transporte escolar TEG de alunos após um mês do início do serviço

A Prefeitura de São Paulo cortou o transporte escolar de 35 crianças que moram em um conjunto habitacional em Itaquera, na zona leste, pouco mais de um mês após conceder o benefício.

De acordo com os pais, a direção da Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Governador Mario Covas credenciou os alunos no sistema de vans escolares em 1º de abril.

Um mês depois, a escola comunicou que o grupo de alunos não seria mais atendido.

Outras 163 crianças da mesma Emef não tiveram o benefício cortado.

A Secretaria Municipal de Educação diz que o transporte foi cancelado porque os 35 alunos vieram transferidos de outras escolas.

De acordo com portaria que mudou as regras do transporte escolar, os pais que optarem por mudar os filhos de escola abrem mão do serviço.

A Secretaria Municipal de Educação, da gestão Fernando Haddad (PT), disse que um erro técnico foi responsável por credenciar os 35 alunos para ter acesso às vans mesmo sem ter esse direito por terem sido transferidos.

Nesse caso, os pais têm que assinar um documento abrindo mão do transporte, o que não foi feito.

O fato vai ser apurado, diz a Secretaria, que não comentou o trajeto das crianças.

A prefeitura diz que a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) irá avaliar a necessidade de instalar sinalização na rua citada e que as calçadas em frente aos prédios são de responsabilidade da CDHU, da gestão Geraldo Alckmin (PSDB).

A CDHU disse que o conjunto tem mais de cinco anos e, por isso, cabe aos moradores cuidar da calçada.

A Secretaria de Segurança Pública disse que as ruas citadas são policiadas, o que resultou na prisão ou apreensão de 65 pessoas no primeiro trimestre deste ano.

A reportagem completa está disponível na edição impressa do Agora desta quarta, 11 de maio, nas bancas.

Fonte: Jornal Agora