Easy Táxi é liberada pela Prefeitura para concorrer com o Uber e até mesmo taxistas de SP

Os taxistas já suportam a concorrência de Uber e Cabify e agora sofrerão concorrência da própria Easytaxi, aplicativo que era exclusivo dos taxis e passará a ser utilizado também por particulares.

A Prefeitura de São Paulo liberou o aplicativo Easy Táxi para operar o serviço de transporte individual de passageiros, serviço que prevê transporte em carros comuns, como o que é oferecido pela Uber. É a segunda empresa liberada pela Prefeitura, seguida pela espanhola Cabify.

A Easy Táxi havia aberto cadastro para receber motoristas desde o dia 11 e deve começar a oferecer as corridas até o dia 25, segundo a empresa.

A opção de carro particular estará no mesmo aplicativo. A função se chamará “Easy Go”. Assim, o usuário poderá escolher se quer táxi preto, táxi comum ou carro particular, no momento da corrida.

Preocupada com a eventual reação dos taxistas, seus parceiros, que vêm realizando movimentos contra a regulamentação do transporte privado, feito pela gestão Fernando Haddad (PT) há dois meses, o diretor-geral da empresa, Fernando Matias, vinha divulgado um vídeo para os motoristas da Easy em que explica que a empresa tomou a decisão de explorar esse serviço para combater a concorrência vinda com novos serviços, sem citar diretamente o Uber.

Até o momento, a Uber ainda não foi liberada pela Prefeitura para operar na cidade. Pelas regras criadas pela Prefeitura, as empresas de aplicativos têm uma cota máxima mensal de circulação, estimada em 27 milhões de quilômetros.

Essa cota pode aumentar ou diminuir se os técnicos da Prefeitura perceberem que o volume dos congestionamentos da cidade está aumentando ou diminuindo com os novos serviços.

No início de julho a Prefeitura de São Paulo também alterou as regras de concessão de alvarás de taxistas, permitindo a venda e transferência livremente, fazendo o preço de um alvará da categoria cair em mais de 50% no mercado.

Realmente o ano de 2016 tem sido um inferno para a categoria dos taxistas, resta saber qual o impacto disso tudo na reeleição de Haddad e nos vereadores nos quais os taxistas confiaram seu voto na eleição anterior.

Por Antonio Félix
Com informações do Estadão