Mais de 200 alunos ficam sem transporte por falta de pagamento de prefeitura

Das quatro empresas que atendem o município, três suspenderam o serviço por falta de pagamento.

Mais de 200 alunos de quatro escolas estaduais de Restinga Seca, na Região Central do Rio Grande do Sul, estão sem transporte escolar.

Desde o início do mês, a estudante Pamela Tricate chega 15 minutos atrasada na aula. Ela mora a 20 km da Escola Erico Verissimo e está usando ônibus de linha para ir estudar. “É brabo em dia chovendo, porque a gente temos de trocar de ônibus e tem pontos que tem muito barro”, reclama.

A estudante Andrieli Altermann está na mesma situação. Além de gastar R$ 50 por semana em transporte, a jovem tem que passar o dia inteiro dentro da escola. “Onde eu moro, o ônibus só volta às 18h, tem que passar o dia todo aqui. Tem gastos com a alimentação e todas essas coisas.”

Cerca de 250 alunos de um colégio moram no interior do município e dependem de transporte escolar. Desde que o serviço foi suspenso, muitos estudantes ainda não compareceram em sala de aula. O vice-diretor da escola, Lucas Luiz Kegler, observa que a muitos alunos têm que percorrer cerca de 50 km. “O que acontece? Muitas vezes não tem como eles vencerem isso por conta própria. O custo se torna muito alto”.

Na Escola Francisco Manoel, cerca de 70 alunos também estão sendo afetados. “Os alunos do interior são desses transportadores que estão parados por falta de pagamento. Então eles não têm como vir ainda porque é noite e no interior. Esses sim estão sendo bastante prejudicados”, observa o diretora da escola, Marcilene Alves Ferreira.

A 24ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) disse que o governo paga fornecedores e prestadores de serviço depois de pagar os servidores.

Com informações do G1