Alunos ficam sem transporte gratuito e não vão à aula no primeiro dia do ano letivo em SP

Acelera_SP_Sem-TEGMuitos estudantes faltaram na escola no primeiro dia do ano letivo devido a falta do Transporte Escolar Gratuito (TEG) na capital paulista nesta segunda-feira (6).

Os pais e alunos se disseram surpreendidos com a suspensão do transporte sem nenhum aviso da Prefeitura. O TEG era responsável por levar os estudantes para a escola e depois deixá-los em casa.

A aluna Carol, de 5 anos, está matriculada na mesma escola, localizada no Jardim das Oliveiras, na Zona Leste de São Paulo, onde estudou em 2016, mas neste ano terá que sair de casa mais cedo, pois a administração municipal cortou o transporte que ela utilizava gratuitamente.

“Não sei por que. Fiquei sabendo porque o motorista que a levava falou que a empresa não estava mais presente no relatório das vans escolares”, disse o avô da Carol, Edval Batista, que ficou responsável por leva-la ao colégio a pé a partir desta segunda.

No trajeto, o avô e a neta enfrentam buracos nas calçadas, ladeiras e entulhos, sem contar os trechos em que eles são obrigados a andar no meio da rua. A pior parte do caminho, segundo Edval, é quando eles chegam nas imediações de um córrego, conhecido por causar alagamentos.

Os problemas causados pelo córrego eram, inclusive, a justificativa aceita pela Prefeitura para conceder o benefício do transporte escolar gratuito. De acordo com o governo municipal, os alunos podem contar com o serviço se existir alguma barreira física no caminho até a escola.

Estudantes e responsáveis relataram o mesmo problema da suspensão repentina do TEG em outros bairros da cidade. No Parque Residencial Cocaia, na Zona Sul, os pais protestaram na última semana em frente à Escola Municipal Frei Damião.

Os condutores também ficaram descontentes com a novidade. “O carro da gente tem prestação”, disse o motorista Renato dos Santos.

A Prefeitura de São Paulo disse que a checagem dos critérios de quem tem direito ao transporte escolar gratuito é de responsabilidade das 13 Diretorias Regionais de Educação, que o cadastro dos alunos é feito todo ano e que o processo leva em conta os novos estudantes. A Secretaria explicou ainda que os pais podem recorrer do corte e que, para isso, devem procurar as Diretorias Regionais.

Sobre a situação especifica das crianças que estudam próximas ao córrego, a Prefeitura garantiu que os alunos poderão contar com transporte gratuito.

Acesse AQUI a reportagem do Bom Dia São Paulo de hoje com a matéria na íntegra.

Todos os os pais que tiveram o corte do transporte escolar gratuito devem recorrer junto à Diretoria Regional de Ensino (DRE) de sua região para que seja avaliado o benefício e retomado o transporte pelo programa TEG – Vai e Volta. (Nota Nossa)

Com informações do G1