Nova manifestação contra o corte do TEG ocorre na quinta-feira(16) às 14h em frente à DRE São Mateus

manifestacao_16fev

ATENÇÃO:
A MANIFESTAÇÃO DE AMANHÃ (16/FEV) FOI ALTERADA E NÃO MAIS SERÁ REALIZADA EM FRENTE À PREFEITURA, AGORA SERÁ EM FRENTE À DRE SÃO MATEUS, NA AV RAGUEB CHOHFI, Nº 1550, NO MESMO HORÁRIO, ÀS 14H.

Condutores escolares apoiarão a manifestação de mães de crianças que perderam o transporte na quinta-feira(16) às 14h em frente à DRE São Mateus, que anteriormente seria em frente à Prefeitura de São Paulo, porém alterada na tarde desta quarta-feira (15).

O que os manifestantes tem observado é que em cada uma das manifestações realizadas em alguma DRE até o momento, sempre é liberado e revisto o transporte escolar de crianças de alguma região, indicando que a SME só está revisando os casos que estão sendo expostos na mídia.

A manifestação de amanhã (16/fev) é organizada pelas mães de crianças que perderam o transporte, mas os condutores escolares estão se organizando para também estar presentes, além de dar todo o suporte de ida e volta até a prefeitura.

Áudios no whatsapp e convocações no facebook solicitam que os condutores escolares façam contato com o máximo de mães possíveis e combinem os horários de ida e volta na van escolar até a manifestação. A convocação passada é de que sejam lotados os veículos e que seja levado o máximo possível de mães.

Os responsáveis pela PMSP tem feito papel de desentendidos, dando declarações à mídia informando que aqueles que tem direito estão sendo atendidos, mas na realidade não está revendo todos os casos de cortes efetuados pela desconsideração de barreiras físicas antes válidas e de desenquadramento devido ao novo cálculo fajuto do trajeto a pé, ambos usados para fazer o corte do transporte das crianças.

As crianças continuam sem o transporte e as mães continuam a solicitar que o mesmo seja retomado, pois algumas crianças sequer estão indo à escola ou, as que estão indo somente conseguem devido ao atraso no trabalho dos pais, ou indo sozinhas correndo riscos no percurso de mais de 2Km no trânsito repleto de calçadas estreitas, buracos e terrenos baldios.

Já os motoristas escolares, são sabedores de que seu próximo pagamento será uma miséria, pois diferentemente do pagamento a ser recebido no final do mês de fevereiro, correspondente ao mês de janeiro e que considerava o total de crianças transportadas no último mês letivo do ano anterior, o próximo pagamento referente a fevereiro e recebível no final de março, considerá APENAS as poucas crianças transportadas neste primeiro mês letivo, exatamente os poucos “gatos pingados” que a PMSP não cortou e deixou para serem transportados.

Além de não atender a solicitação de revisão da demanda do transporte escolar, a PMSP acenou com a criação de uma comissão para estudo e análise dos dados do transporte escolar gratuito (TEG) e que finalizará com o lançamento de nova licitação no final de março, o que também não agrada a maioria dos envolvidos, vez que não se sabe ainda quais critérios serão usados na nova licitação, na qual poderão até ser excluídos de participação, caso sejam definidos critérios de participação por cooperativa, análise de balanço patrimonial ou limite mínimo de capital social.

Embora respaldado pela grande aceitação popular no início de seu mandato, o novo prefeito Dória vem aos poucos sendo respingado com os resultados das manifestações realizadas a partir da segunda quinzena de janeiro expostas na mídia, que vem mostrando quase diariamente as manifestações e as reclamações de mães que tiveram o corte no transporte dos filhos.

Até mesmo a moldura de “bom gestor” e grande gerente da cidade que o prefeito vendeu à população paulistana vem sofrendo arranhões; além do quê, uma gestão não se reduz apenas à figura do prefeito, mas também de toda a base de apoio composta pelos vereadores, e todos eles vivem e dependem de votos.

Diferente de uma empresa privada em que se pode ameaçar de demissão ou mandar embora, como Dória fez ao dar um grande pito e ameaçar de demissão os dois sub-prefeitos regionais (comissionados) que deram entrevista e falaram sobre escassez de material e recursos que possibilitassem os resultados mostrados na mídia pelo prefeito, a gestão pública possui outros meandros diferentes do que viveu o prefeito em sua vida empresarial, e nenhum vereador poderá ser ameaçado de demissão caso venha a expor ou reclamar dos votos e do apoio popular que vem perdendo junto às suas bases eleitorais na periferia.

Esse angu ainda vai dar muito caroço, e se depender dos transportadores escolares e das mães de crianças que ficaram sem o transporte, cada vez mais pimenta será jogada nele. E pimenta nem é coisa boa pra angu, um açúcarzinho cairia bem melhor.

Adocicada mesmo só a visão das elites que enaltecem Dória porquê não dependem de políticas públicas de acesso à educação ou manutenção de empregos, estes além de dar amplo apoio à medidas anti-sociais, ainda reclamam em sua visão simplista de que as crianças tem mesmo é que ir a pé, e que a obrigação da prefeitura é dar a escola, que os pais que se virem para levar, etc. Esse é o mundo de rosas em que vive o prefeito e a corte que o cerca, já a plebe…

Por Antonio Félix