Tá achando ruim, pode ficar pior. DRE solicita reavaliação e novo corte no transporte escolar gratuito (TEG) nas escolas

E-mail_corte_TEG

A imagem de um e-mail repassado via whatsapp mostra uma mensagem da DRE São Mateus encaminhada hoje (10) que orienta as escolas sobre supostas irregularidades encontradas em auditoria nas distâncias entre a residência e a escola.

A mensagem informa que a partir da data atual (10/mar) nenhuma criança deve ser inserida no programa de transporte escolar gratuito, nem no sistema EOL onde são inseridos os dados, nem nos veículos; ou seja, é pra parar tudo.

O motivo apontado é que foram verificados erros em Fichas de Validação e Apontamento – FVA e também erros no EOL, e que um relatório anexo aponta em vermelho todas as distâncias supostamente erradas, solicitando que cada escola verifique se realmente é essa a distância entre a residência e a escola.

E mais taxativamente ao final a mensagem pede que os erros deverão ser corrigidos, ou seja, que a escola deve não apenas refazer o cálculo mas “cortar” essas crianças caso não justifiquem a distância encontrada.

Desconhecemos se a mensagem enviada pela DRE São Mateus foi encaminhada às escolas por outras DRE´s da cidade, mas acreditamos que seja real essa possibilidade, pois nota-se que houve uma auditoria nos dados apontados pelas escolas e um questionamento quanto a eles, o que pode ter ocorrido em outras regiões.

Assim, as poucas crianças que restaram aos condutores escolares do TEG ainda poderão ser revistas e retiradas, caso alguma delas esteja dentro dessa auditoria realizada.

Da mesma forma, crianças que estavam indo à escola através do transporte escolar gratuito (TEG) desde o início de fevereiro, e que haviam escapado dos cortes efetuados no programa no início do ano letivo, poderão à partir da próxima semana ter o benefício cortado.

Estranhamente, é a DRE São Mateus a região onde mais ocorreu manifestações em frente à DRE ou em escolas, inclusive com fechamento da via próxima com sucatas de carros e manifestantes, todas elas ocorridas durante o mês de fevereiro.

Se houve erro no apontamento por parte de escolas em função da pressão recebida pelas mães ou manifestações na DRE, ou se é mera represália da gestão municipal em auditar os dados específicos daquela região, não se pode afirmar nada, mas a dúvida fica no ar.

Da forma como anda a nova gestão, acreditamos mais na hipótese de que tenha havido auditoria geral em todos os dados apontados desde o início do ano letivo, e que o “ponto de corte” da tesoura de Dória não tenha ainda chegado à sua meta de gastos com o programa.

Segue abaixo a transcrição do texto do e-mail:

De: DRE São Mateus – ADM
Para: SME – 109200 – TODOS FUNDAMENTAL; SME – 109200 TODOS EMEI, etc etc

Srs(a) Diretores(as), bom dia,

Informamos que a partir de hoje nenhum educando/criança deve ser inserido no Programa de Transporte Escolar Gratuito. Nem no EOL e nem nos veículos.

Motivo: Verificamos erros em Fichas de Validação e Apontamento – FVA e erros no EOL.

Segue o arquivo extraído hoje do EOL, marcado com letras vermelhas os prováveis erros de distância. Cada escola deve verificar se realmente é essa medida a distância da residência à escola. Erros deverão ser corrigidos.

Posteriormente enviaremos os procedimentos para Matrículas novas, que fazem jus ao Programa.

Att.

J.

Te cuida TEG, a tesoura de Dória não deixará escapar um único metro de distância que possa invalidar a concessão do transporte escolar gratuito. _ Ah, deu 2.037 metros, calcula aí de novo pra ver se não cai pra menos de 2.000 metros, vê se dá pra cortar mais uns meninos desses aí pra diminuir as contas…

Não contentes com a nova forma de cálculo que usa a rota a pé pela criança e não a rota do veículo, a SME agora pede pra parar tudo e refazer as contas pra tentar mais cortes no transporte escolar gratuito (TEG).

No mínimo, essas crianças que serão reavaliadas devem tomar outro caminho e pular algum muro e atravessar por um terreno baldio para cortar alguns metros da distância, ou então informaram o trajeto por uma rua melhor movimentada (em função óbvia de sua segurança) mas devem mesmo é ir pelo caminho mais curto não importando os riscos do percurso, ou meter o pé na lama e atravessar por dentro de algum córrego sujo. Nada de escolher caminho…

Haja estímulo pra ir à escola! Esperemos as notas dos próximos levantamentos do IDEB, especialmente os índices de evasão ou reprovação.

Por Antonio Félix