Van escolar clandestina é apreendida em SP com 80 mil em multas. Se passar o rodo pega umas mil

O Bom Dia Brasil desta sexta-feira(17) mostrou oito veículos apreendidos nos últimos cinco meses na capital que acumulam R$ 83 milhões em multas, e entre eles uma van escolar.

Segundo a reportagem, existem outros veículos com milhões em multas circulando pela cidade. Tanto que o Comando de Trânsito faz blitz especificamente para tentar flagrar esses motoristas.

Entre os veículos apreendidos, a van escolar é a que possui menor valor acumulado de multas, em torno de R$ 80 mil, mas nem por isso deixa de demonstrar o despreparo das autoridades no combate à clandestinidade.

Segundo o diretor de Fiscalização e Educação do Detran.SP, Marco Antonio Xavier Telles, o acúmulo de multas também se dá pelo entendimento que tem o dono do carro de que já deve um valor superior ao valor do veículo, e que ele nada está perdendo ao continuar cometendo novas irregularidades.

A estimativa é de que existam em torno de cinco mil veículos no Estado de São Paulo que devem mais do que valem, e segundo as autoridades, a tarefa de retirá-los de circulação não é fácil, existem operações específicas, um tipo de blitz diferente, com informações de inteligência.

“Nós detectamos veículos com alto índice de autuações. Aí fazemos operações nos locais de incidência de passagem para localizar, abordar e remover o veículo da via”, explicou o sargento Marcelo, do setor de busca do Policiamento de Trânsito.

O G1 conclui a reportagem informando que todas as dívidas do veículo são transferidas para o CPF ou para o CNPJ do proprietário indicado no documento do veículo, e que o pior do que o prejuízo financeiro é sair por aí colocando a própria vida e a de outras pessoas em risco, devido à esse tipo de veículo quase sempre não estar em boas condições.

Isso de maneira geral, mas, pior ainda a situação do transporte escolar que expõe a vida não apenas de pessoas, mas de crianças, notadamente mais indefesas e de maior vulnerabilidade.

Uma van escolar regularizada possui vistoria obrigatória a cada 6 meses, e uma van que chegou ao absurdo de acumular R$ 80 mil em multas já está rodando na clandestinidade há muito tempo, e transportando crianças diariamente.

Interessante é frisar que a reclamação de transportadores escolares regularizados sobre a atuação dos clandestinos é constante, e quase sempre afirmam que mesmo com denúncias informando local e horário, nada é feito.

No transporte escolar, já passou da hora dos órgãos públicos mostrarem serviço e retirar de circulação veículos que atuam de forma clandestina e ilegal, pois pra isso não precisa de muita “inteligência” e “ações especiais”, basta efetuar a fiscalização onde estes foram denunciados, pois geralmente é informado horário, modelo, cor e até a placa.

Complicado mesmo é pagar caro por cursos de especialização no transporte escolar e manter em dia o pagamento de altas taxas de vistorias e manutenção regular do veículo para deixa-lo “tinindo” sem nenhum defeito para conseguir aprovação, sem esquecer que já são “favas contadas” as várias vezes em que só consegue aprovação após deixar a “oncinha” pro agente de inspeção, mesmo estando tudo regular.

Devido à falta de ação dos agentes públicos, é como se você pagasse duas vezes para trabalhar, primeiro você paga para manter o veículo regularizado, depois você paga novamente quando é obrigado a diminuir o preço do seu serviço para conseguir algum cliente devido ao baixo custo de mercado provocado pela ação daqueles que cobram “preço de banana” porquê nada gastam para manter o veículo regular.

Se houvessem mesmo fiscalização e ação diária e constante no combate ao transporte escolar clandestino, no mínimo umas mil vans escolares seriam apreendidas na cidade de São Paulo, e não em cinco meses, mas apenas em um, talvez até em menos tempo.

Para assistir à reportagem da matéria original do G1, clique AQUI.

Por Antonio Félix
Com informações do G1