Em assembléia de hoje(21), professores da rede municipal de SP decidem pela continuidade da greve

Reunidos em assembleia na tarde de hoje(21), os professores da rede municipal de São Paulo decidiram pela continuidade da greve e pela realização de uma nova manifestação com assembléia na próxima segunda (27) no Viaduto do Chá, quando decidirão os rumos do movimento.

Os professores da rede municipal de SP aprovaram a continuidade da greve em decisão praticamente unânime, reunidos no Viaduto do Chá à partir das 15h.

Contra a reforma da Previdência, que tem votação programada para o final de abril e início de maio.

Do Viaduto do Chá os professores saíram em passeata rumo à Av Paulista, ocupando todas as faixas do viaduto e depois passando em frente ao Teatro Municipal, Pacaembu, Praça da República, Rua da Consolação até chegar na Praça do Ciclista na Av. Paulista.

Além da aprovação pela continuidade da greve, a assembléia reunida hoje também aprovou outra manifestação para sábado (25) à partir das 10h da manhã também na Av. Paulista, e outra na assembléia está programada para a próxima segunda-feira (27) às 15h, no Viaduto do Chá, onde decidirão pela continuidade ou não da greve.

Segundo os organizadores, participaram do ato de hoje cerca de 15 mil pessoas. Pelas regras atuais, uma professora poderá se aposentar após 25 anos de serviço e 50 anos de idade. Com a reforma, a professora deverá ter no mínimo 65 anos de idade.

O SINPEEM, sindicato da categoria, afirma que a greve pouco mais da metade dos docentes da rede municipal.

Segundo a Prefeitura de São Paulo, há apenas 10% das escolas totalmente fechadas por motivo da greve, e não informa dados das escolas atingidas parcialmente, em que as aulas estão acontecendo apenas em algumas séries.

A SME afirma que somente pode responder pelas pautas locais, tais como remuneração ou outros itens inerentes às atividades específicas do cargo, e que sobre a reforma da Previdência não lhe cabe nenhuma interseção.

Com informação da Rádio CBN



 

Comentários

  1. DÊ SUA OPINIÃO, COMENTE!
    É justa a manifestação dos professores através da greve ou a continuidade das aulas deveria ser mantida? Em quê a greve dos professores municipais de SP mudou sua rotina? O que você acha da reforma da Previdência?