Ônibus escolar foi incendiado por alunos em Orlândia-SP, afirma delegado responsável pelo inquérito policial

Veículo fazia o transporte de estudantes de escola estadual de Orlândia. Dona de empresa afirma que jovens tentaram atear fogo ao veículo em outras ocasiões.

O delegado responsável por coordenar as investigações que apuram as causas do incêndio que destruiu um ônibus escolar na tarde desta segunda-feira (3), em Orlândia (SP), afirma que o fogo foi iniciado de maneira criminosa por estudantes que estavam no veículo pouco antes dele realizar a última parada. Até o momento, ninguém foi apreendido.

O veículo realizava o transporte de crianças e adolescentes que frequentam a Escola Estadual Oswaldo Ribeiro Junqueira e no momento em que as chamas começaram os alunos já haviam deixado o ônibus. Segundo a dona da empresa que fornece os veículos para realizar o transporte, alguns adolescentes já haviam tentado atear fogo dentro do ônibus anteriormente.

Segundo o delegado Paulo Sérgio Françolin Junior, as investigações prosseguem no município e os investigadores já ouviram alguns adolescentes que fazem viagens diariamente nos ônibus cedidos pela empresa. Além deles, o motorista também já prestou depoimento e deu sua versão sobre o que ocorreu no dia.



“Fizemos algumas diligências e ouvimos algumas pessoas. Já requisitamos exame pericial que determinará a causa do fogo, de onde surgiu. Essas informações das quais dispomos até agora, ainda que preliminares, nos permitem já de pronto descartar qualquer motivação política e qualquer envolvimento de organização criminosa nos fatos”, afirma.

O delegado diz não ter dúvidas que estudantes estejam envolvidos no incêndio. O veículo fazia o transporte de crianças e adolescentes que têm entre 12 e 17 anos. As imagens captadas por câmeras de monitoramento estão auxiliando os policiais nas investigações e novas diligências deverão ser executadas pelos investigadores nos próximos dias.

“Os elementos nos permitem chegar à conclusão de que o ato foi praticado por um grupo de adolescentes em coautoria, grupo esse de adolescentes que viajava dentro do próprio veículo que foi incendiado. Já temos alguns nomes, mas por questões legais e inclusive para não atrapalhar as investigações, não podemos divulgar, mas a polícia já dispõe de suspeitos”.

Agora, o delegado afirma que a Polícia Civil trabalha para confirmar as suspeitas da participação dos adolescentes identificados após os investigadores terem reunido depoimentos e outros indícios. Françolin diz ainda que existe uma possibilidade grande que os autores do crime estejam entre os alunos que desceram na última parada do veículo.



“Vamos agora aguardar o laudo pericial, ouvir algumas pessoas e ainda temos algum trabalhos de campo para fazer. Novas diligências serão feitas ainda hoje e diversas outras também serão realizadas amanhã. Vamos passar a oitiva de todas as pessoas que tiveram de alguma forma algum envolvimento com isso e possa nos passar qualquer dado relevante sobre o ocorrido”, conclui.

O ônibus ficou completamente destruído após ter sido incendiado na tarde desta segunda-feira (3). O veículo trafegava próximo de uma praça no bairro Jardim Parisi e o motorista estacionou logo após as últimas crianças terem deixado o interior do ônibus. O condutor também deixou o veículo e notou a fumaça minutos depois de se afastar do local. Ele tentou conter as chamas, mas não conseguiu impedir que o fogo se propagasse.

Segundo a proprietária da empresa, alguns motoristas também já foram ameaçados de morte por alguns estudantes e muitos profissionais passaram a se recusar a trabalhar realizando o transporte dos alunos da unidade de ensino do Estado.

“Alguns deles já foram até ameaçados de morte com faca no pescoço pelos alunos, então não tenho mais que fazer. A princípio a diretoria da empresa não pensou em nada. Vamos comunicar a prefeitura para ver que medida podemos tomar. Não podemos generalizar os alunos, generalizar a escola, tem muitos alunos ali que dependem do transporte porque a escola é longe dos bairros”, explica.

Com informações do G1