Transporte urbano, metroviários, bancários e professores: veja quem já aderiu e quem pode aderir à greve do dia 28 em SP

Algumas categorias profissionais já confirmaram a adesão à paralisação nas principais capitais brasileiras, enquanto outras agendaram assembleias até a quinta-feira (27) para decidir se vão paralisar as atividades.

A convocação da greve geral está sendo realizada pelas centrais sindicais e as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, marcada para a próxima sexta-feira (28) para acontecer em todo o país, contra as reformas da Previdência e trabalhista propostas pelo governo do presidente Michel Temer (PMDB).

Os metroviários de São Paulo estão em estado de greve e devem paralisar as atividades no dia 28. A decisão foi tomada em assembleia realizada no dia 11 de abril. Uma nova assembleia está marcada para a quinta-feira (27), às 18h30, na sede do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, para ratificar a decisão.

Com a adesão da categoria ao movimento nacional, apenas a Linha-4-amarela, que é administrada pela ViaQuatro, deve funcionar. A greve deve afetar os 3,7 milhões de usuários que, em média, que utilizam o serviço em dias úteis.

Os ferroviários da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) são divididos em três sindicatos, e os três confirmaram adesão. Sendo assim, cruzarão os braços os trabalhadores das linhas 7-rubi, 8-diamante, 9-esmeralda, 10-turquesa, 11-coral e 12-safira, o que corresponde a quase 2,25 milhões de usuários no dia transportados na Grande São Paulo com trajeto entre 22 municípios.

Já os motoristas e trabalhadores do transporte rodoviário urbano em São Paulo farão uma “grande plenária preparatória”, marcada para as 15h desta quarta-feira (26), na sede da entidade na rua Pirapitingui, 75, Liberdade.

Os bancários paulistas também decidiram, em várias assembleias realizadas em locais de trabalho, paralisar suas atividades na sexta-feira. Segundo o sindicato, oito em cada dez bancários decidiram pela participação da categoria na mobilização.

Na educação, se já havia a grande adesão dos professores da rede municipal e da rede estadual de ensino que realizaram grandes manifestações no mês de março, agora até mesmo os professores da rede privada de ensino decidiram aderir à paralisação.

Os aeroviários de Guarulhos aprovaram em assembleia aderir a greve de 24 horas desta sexta. Rodrigo Maciel, presidente do Sindicato dos Aeroviários de Guarulhos, diz que a ordem é paralisar as atividades a partir de 0h. Ele também informou que 30% dos funcionários vão manter as atividades, como preza a legislação. Já os pilotos e comissários de voo ainda decidem se vão fazer a paralisação em assembleia nesta quinta-feira (27).

Com informações do UOL