Uber planeja “dominar o mundo”: saiba como

Além de se expandir geograficamente, o app será disponibilizado em qualquer tela de tecnologia manuseada pelo usuário.

Presente em mais de 400 cidades do mundo todo, a Uber ainda tem planos de aumentar sua penetração, não só em novos locais, mas com novos clientes.

Para isso, além de expandir seu app geograficamente, a empresa tem um plano ambicioso para os próximos anos: a capacidade do usuário de solicitar um carro a partir de praticamente qualquer tela de tecnologia que ele use.

“Não é suficiente dizer ‘bem, vocês precisam vir até onde estamos e o que nós pensamos que é confortável para nós’. Precisamos chegar às pessoas e estar presente onde elas gastam o tempo e se sentem confortáveis”, explica Chris Messina, da Uber.

O caminho de “aproximação” começou em novembro de 2014, quando o serviço de transporte alternativo instalou um botão no Google Maps, capaz de exibir motoristas na região e quanto tempo demoraria para um carro chegar até o usuário. Recentemente, quando o Facebook anunciou a possibilidade de solicitar serviços pelo Messenger, através dos Bots, a Uber já estava presente.

Em alguns países, é possível solicitar uma corrida no PC pelo Microsoft Outlook, pelo Google Maps. Pelos relógios inteligentes, como o Apple Watch, ou rastreadores fitness como o Peele e o Microsoft Band, também dá para pedir um carro.

Em alguns casos, não é preciso nem requisitar o serviço: pela integração com o Messenger, no momento em que o usuário menciona o Uber, uma sugestão aparece na tela.

Segundo Messina, o futuro da Uber é ser mais do que um aplicativo. “A Uber está no negócio de fornecimento de logística de transporte como um serviço, e não só na criação de aplicativos. Um app é uma maneira de prestar nossos serviços para clientes de uma forma conveniente, familiar e amigável, mas não é a única maneira de fornecer acesso ao nosso serviço. Em última análise, queremos estar em todos os lugares onde nossos usuários estão, levando em consideração o seu ambiente “, explica o executivo.

Mais do que um serviço, a empresa quer se tornar um ecossistema, permitindo que outras companhias de diversos segmentos aproveitem seus recursos para chegar ao cliente de maneira certeira.

Em janeiro dest ano, a Uber lançou um projeto chamado Trip Experiences, que tem o objetivo de ajudar empresas a atingir passageiros enquanto eles se deslocam, mediante autorização do cliente.

Por exemplo: alguém que optar por deixar a companhia aérea saber que ele está em um carro do serviço pode receber atualizações sobre o voo e um mapa do aeroporto pelo smartphone à medida que se aproxima do destino.

Uma empresa de notícias também pode usar o serviço, oferecendo conteúdos de acordo com o tempo de viagem do usuário, ou até a criação de playlists específicas de acordo com a data, horário e humor do usuário.

As possibilidades são amplas e, ao que tudo indica, a Uber tem a intenção de explorá-las ao máximo.

Fonte: Olhar Digital