Prefeitos fazem protestos por melhores repasses do governo ao transporte escolar

A falta de pagamento do repasse do transporte escolar levou os prefeitos do Norte de Minas a realizar protestos contra o Estado, nesta segunda-feira(15), para pressionar o governador Fernando Pimentel.

A concentração será na cidade de Francisco Sá, onde mais de 500 alunos estão sem aulas nesse segundo semestre, já que as empresas vencedoras da licitação para explorar o transporte dos alunos se recusaram a continuar no serviço, tendo em vista que estão com 3 (três) meses atrasados.

O prefeito Denilson Rodrigues Silveira explica que o Estado descumpriu o acordo de pagar pelo menos dois meses e por isso, às 8 horas será realizado o protesto.

Através de comunicado enviado aos prefeitos, a Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene esclareceu que a mobilização continuará com a paralisação dos serviços de transporte escolar nos municípios até que o Estado pague outra parcela vencida, visto que o pagamento somente de uma parcela impede que as Prefeituras paguem boa parte das dívidas com esse serviço.

“Sendo assim, seguiremos com a decisão tomada pela AMAMS em conjunto com a AMMESF de manter a paralisação até que o Governo anuncie um novo pagamento” – esclarece o texto enviado aos prefeitos.

Seria realizada uma reunião no dia 10 passado com o Estado e os deputados mineiros, mas como foi ponto facultativo em Belo Horizonte, tudo foi cancelado. A reunião será essa semana, quando as entidades municipalistas mostrarão ao Estado que é impossível continuar com o transporte escolar.

O repasse do transporte escolar é feito em 10 parcelas por ano. Nesse ano, até agora o Estado encaminhou apenas três meses. O temor dos prefeitos é que se concentrar tudo para o final do ano, os municípios terão que devolver o dinheiro aos cofres estaduais, pois não pode pagar retroativo e nem pode passar de um ano para outro.

Com informações de Gazeta Norte Mineira