Cresce o número de cidades que paralisaram o transporte escolar por falta de repasses

Número de municípios que alegam falta de repasse do Estado e paralisam o transporte escolar cresce diariamente, e população já começa a fazer protesto nas ruas das cidades do norte de Minas Gerais. No norte da Bahia já houve até denúncia na delegacia de polícia por ausência do transporte escolar realizado no município.

O Estado estava com quatro meses atrasados, mas pagou uma parcela na semana passada. As Prefeituras alegam que enquanto não receberem duas parcelas, continuarão a paralisação.

Cresce a quantidade de municípios que paralisaram o transporte escolar por causa da falta de repasses financeiros do Estado de Minas Gerais.

Ontem pela manhã foi realizado um protesto pelas ruas da cidade de Francisco Sá, onde mais de 500 alunos estão sem estudar desde o dia 1º de agosto.

Nas cidades de Brasília de Minas e Januária, os prefeitos ainda não retomaram com a prestação dos serviços. Ontem foi a vez de São Francisco suspender o transporte dos alunos.

A secretária municipal de Educação de Francisco Sá, Josemary Soares Barbosa, esclarece que são transportados diariamente 1.759 alunos da rede municipal e estadual em 32 rotas.

Dessas, apenas 10 que usam os ônibus municipais estão sendo atendidos, enquanto as 22 rotas das empresas terceirizadas suspenderam os serviços por estarem quatro meses sem receber.

Ontem, os alunos e pais das escolas rurais se concentraram na praça Getúlio Vargas e foram em caminhada até a avenida Jacinto Silveira, em protesto contra a situação.

A cidade de Francisco Sá recebe R$ 147,1 mil por mês para transportar os alunos, e tem três meses para receber.

O secretário-executivo da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene, Luiz Lobo, explicou ontem de manhã que o Ministério Público foi acionado pela entidade, para exigir que o Estado cumpra sua função e pague os meses atrasados.

Ele lembra que uma ação judicial movida pelo MP na área de saúde levou o Estado a pagar os atrasados daquele setor.

“Comunicamos ao MP sobre a paralisação, até mesmo para resguardar os prefeitos de qualquer problema. Vamos esperar a solução” – salienta Luiz Lobo, que espera ainda essa semana por uma paralisação de quase todos os municípios do Estado.

Com informações de Gazeta Norte Mineira