7 perguntas sobre veículo autônomo de transporte: 1ª, ele vai tomar o lugar do motorista?

veiculo_autonomoEm um futuro breve vamos ver caminhões e ônibus rodando sem motorista? Será o fim desta profissão? Sobre este assunto, foram feitas sete perguntas para um executivo da Mercedes-Benz, montadora que já tem o seu caminhão autônomo.

Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas, Marketing e Peças e Serviços Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil responde taxativamente e tranquiliza: o motorista sempre vai existir, mas assumirá novas funções.

1 – O caminhão autônomo vai tomar o lugar do motorista?
Não. O caminhão autônomo é para ajudar a empresa a ter mais rentabilidade, para conversar melhor com o trânsito, para trazer mais segurança para o motorista, porque a gente vê que em algumas situações extremas de trânsito, de comboio, é melhor o caminhão tomar algumas decisões e motorista, assim, consegue manter a atenção dele em outras coisas.

2 – O caminhão não vai andar sozinho?
O caminhão vai sempre precisar do motorista e o motorista vai ter outro papel. Vai ter uma valorização ainda maior, porque vai fazer aquele papel que já faz hoje, mas não tão bem, por falta de tempo, que é representar a empresa, na hora que chegar ao cliente para carregar ou descarregar. O motorista será um ponto de contato ainda maior do que é hoje com o cliente.

3 – Ninguém precisa ter medo de perder o emprego?
Eu não ficaria com medo do caminhão autônomo, pelo contrário. Todos os sistemas de autonomia que vêm sendo colocados nos caminhões visam: segurança, economia de combustível, tranquilidade para o motorista e maior rentabilidade para o patrão dele. Ninguém tem intenção de acabar com o motorista. Pelo contrário, o motorista vai sempre existir. Caminhão autônomo não é carrinho de autorama. Não vai ter alguém pilotando à distância, será o motorista que estará lá interagindo e, em alguns momentos, ele vai deixar o caminhão fazer o que tem que fazer sozinho, porque ele consegue interagir com a cidade, por exemplo, em onda verde de semáforo que o motorista sozinho não iria conseguir fazer.

4 – Você falou que o motorista vai precisar mudar um pouco o perfil dele. Como será?
Eu acho que todas as grandes empresas hoje investem muito no treinamento do motorista. Mas basicamente 70% desse treinamento é para o motorista conseguir extrair o melhor resultado do equipamento que ele está operando. Parte deste treinamento agora deverá ser dedicada à pessoa interagir com outras pessoas. Hoje é uma profissão solitária, mas quando a autonomia chegar o motorista terá outro papel. Ele vai entrar em contato com o cliente avisando que vai chegar em meia hora, avisar o horário que estará nos outros clientes. É evidente que ele vai precisar de treinamento para isso. O motorista tem que ser aquela pessoa sempre animada, simpática, que consegue conversar numa portaria, que se porta bem em um posto, porque ele representa a empresa. Com a autonomia do caminhão, essa função do motorista cresce. Tem possibilidade de crescer ainda mais, de valorizar ainda mais a função de motorista. Ele vai passar a fazer algumas coisas que não tinha tempo.

5 – É o motorista com habilidades de quem trabalha na área comercial, por exemplo?
Sim. No final ele é o comercial da empresa. Ele quem entrega ou recebe o produto final. Então é o comercial da empresa mesmo. E terá mais oportunidade para fazer esse papel.

6 – Mas em algumas aplicações específicas o motorista será mesmo dispensado?
Se a gente olhar em alguns serviços muito severos, em ambientes controlados, que oferecem risco à saúde, como operações subterrâneas de mineração, que é um desafio para o motorista, possivelmente, se a tecnologia permitir, nestas operações, cada vez mais você vai trabalhar com máquinas autônomas, que não dependem do operador. Mas isso é um campo muito restrito. Quando a gente fala de transporte rodoviário de carga, não tem a mínima chance de isso acontecer, de não ter o motorista atrás do volante. Ele estará lá. Não 100% do tempo com as mãos no volante, mas agregando outras atividades.

7 – Então não vamos ver um caminhão passando sozinho aqui na Via Anchieta, em frente à fábrica da Mercedes?
Não. Eu tenho certeza que eu não vou ver. E eu sou novo. Estou tranquilo. Eu não estaria preocupado com isso. Nem você motorista. Você deveria estar preocupado em treinar, se habilitar e entregar mais para o seu patrão e para o cliente do seu patrão.

Com informações do portal Pé na Estrada