São Paulo tem o 6º pior trânsito do mundo. Conheça os 20 piores. EUA é o pior país com relação à trânsito

Transito_RankingOs motoristas de São Paulo passaram em 2016, em média, 77 horas presos em congestionamentos, sendo que a cidade registra trânsito parado em 20% do tempo. Esses dados são da Inrix, aplicativo para dispositivos móveis baseadas na navegação por GPS. Foram analisados dados de 1.064 cidades em 38 países ao redor do mundo.

No maior estudo do tipo já realizado, a empresa publicou um ranking com as 20 cidades com pior trânsito do mundo. A cidade com pior trânsito é Los Angeles, com taxa de congestionamento de 12,7%. Os motoristas da cidade passam, em média, 104 horas por ano completamente parados no trânsito.

A cidade que tem a pior taxa de congestionamento do mundo, porém, é Bogotá, que fica parada quase 32% do tempo. Mesmo assim, os motoristas da cidade colombiana passam menos tempo que os de Los Angeles parados por ano, com 80 horas, em média.

Outras dez cidades nos Estados Unidos também estão no ranking top 20, tornando o país a pior nação desenvolvida no quesito trânsito. O que torna as cidades norte-americanas tão problemáticas é o planejamento urbano, que é feito ao redor do transporte via carro particular, ao invés de priorizar o transporte público ou alternativo.

AS 20 CIDADES COM PIOR TRANSITO NO MUNDO

1. Los Angeles, EUA
2. Moscou, Rússia
3. Nova York, EUA
4. São Francisco, EUA
5. Bogotá, Colômbia
6. São Paulo, Brasil
7. Londres, Inglaterra
8. Atlanta, EUA
9. Paris, França
10. Miami, EUA
11. Bangkok, Tailândia
12. Cidade do México, México
13. Washington, DC, EUA
14. Dallas, EUA
15. Istambul, Turquia
16. Boston, EUA
17. Chicago, EUA
18. Krasnodar, Rússia
19. Jakarta, Indonésia
20. Seattle, EUA

A empresa Inrix calculou o prejuízo financeiro direto e indireto que ficar parado no trânsito representa para os motoristas e para as cidades avaliadas nos Estados Unidos. Ficar parado em congestionamentos representou para o motorista de Los Angeles em 2016 um prejuízo de US$2.408, em média, e para a cidade toda um custo de US$9,7 bilhões. Não houve cálculo semelhante para as cidades dos outros países do mundo.

Os custos diretos estão relacionados ao combustível e tempo da população em geral perdido no trânsito, enquanto custos indiretos são multas que empresas de entregas de alimentos e produtos pagam ao demorar para realizar a entrega. O custo dessas multas são repassados aos consumidores finais. Não foram incluídos na conta o prejuízo para a qualidade de vida do morador dessas cidades ou a poluição liberada para o meio ambiente.

“Congestionamento custa ao nosso país bilhões de dólares, ameaça o crescimento da economia e diminui a nossa qualidade de vida. O número de motoristas deve continuar aumentando, enquanto o número de rodovias deve continuar igual”, alerta o economista da Inrix, Bob Pishue. Ele propõe como solução para este problema a adoção de tecnologia e big data para melhorar o fluxo dos veículos nas vias existentes.

Com informações de Hypescience