Londrina amplia validade da licença de transportes escolares de dez para quinze anos

Motoristas de vans e micro-ônibus que trabalham com transporte escolar em Londrina foram contemplados com a ampliação do prazo de licença para trafegar na cidade. A validade passou dos 10 anos atuais para 15 anos.

O prefeito Marcelo Belinati assinou na sexta-feira (27), documento estabelecendo alteração no Decreto nº 949/2008, que disciplina o Serviço Privado de Transporte de Escolares no Município de Londrina. O material está disponível no Jornal Oficial do Município, edição 3.513, pelo endereço www.londrina.pr.gov.br.

O encontro teve a presença do vereador e presidente da Câmara Municipal, Ailton Nantes, que foi responsável por intermediar as reivindicações da categoria dos transportadores escolares junto ao Executivo. Também participaram, a presidente da Associação de Transporte de Escolares de Londrina (ATEL), Marlene Petrachin, e motoristas de veículos escolares em Londrina. A solicitação de alteração quanto à validade da licença foi objeto de várias reuniões e estudos, envolvendo a própria casa legislativa, a Prefeitura e a Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU).

O prefeito destacou que a alteração do decreto 949, em seu artigo 12, contou com o devido embasamento técnico e que a utilização dos veículos de transporte escolar por 15 anos não comprometerá a qualidade dos serviços prestados. “É importante frisar que os veículos só podem obter a renovação da licença mediante vistoria, sendo que aqueles a partir de 10 anos de uso terão que passar por inspeção obrigatória anual. Além disso, continuam as avaliações periódicas, inclusive algumas surpresas, que são realizadas para a verificação das condições de cada um dos 130 veículos hoje cadastrados na CMTU”, explicou.

Marcelo disse ainda que a medida vai beneficiar muitos motoristas escolares em Londrina. “Recebemos o pedido e nos sensibilizamos para este problema que afeta o trabalho de todos esses motoristas, que são pessoas responsáveis pelo transporte diário de nossos filhos e agora têm sua reivindicação atendida”, acrescentou.

Segundo Marlene Petrachin, que tem 77 anos e ainda trabalha diariamente dirigindo van escolar, essa é uma grande conquista para a categoria. Ela trabalha desde 1972 com transporte escolar e, desde 1986, está à frente da ATEL. “Após anos de reivindicações, conseguimos, enfim, ampliar o tempo da licença. Agora teremos mais segurança para trabalhar e organizar nossa rotina, pois sempre temos que preparar cursos para motoristas e monitores e deixar os veículos em boas condições. A maioria das vans com 10 anos de uso ainda permanece em ótimas condições para trafegar, o que se comprova pelas vistorias técnicas e pelos apontamentos feitos por mecânicos e profissionais que participaram das reuniões”, afirmou.

O vereador Ailton Nantes defendeu que o novo prazo de 15 anos da licença dará maior fôlego aos trabalhadores do transporte escolar. “A necessidade de vender os veículos com 10 anos de uso deixavam os motoristas sempre inseguros, porque isso causava dificuldades financeiras, principalmente em período de crise econômica, uma vez que os carros acabavam sendo vendidos antes do tempo, com valor baixo, e levando em conta que uma nova van ou micro-ônibus chegava a custar de três a quatro vezes mais que o valor do antigo”, comentou.

Com informações do Bonde