Fila de creche na cidade de SP é zerada pela primeira vez na história

A Prefeitura de São Paulo anunciou em 17 de dezembro os números atualizados de matrículas na Educação Infantil. Pela primeira vez, a cidade conseguiu zerar a fila de creche.

A Secretaria Municipal de Educação (SME) desenvolveu novos mecanismos não só para a criação de novas vagas, mas também da ocupação das ociosas. Nos últimos quatro anos foram mais de 91 mil vagas criadas, reduzindo a fila ao ponto de que só permaneceu quem opta por uma unidade específica.

“Pela primeira vez na história nós zeramos a fila da creche na cidade de São Paulo, uma conquista não apenas desta administração, mas da cidade de São Paulo, que eu queria dividir com todos os ex-prefeitos e ex-prefeitas que me antecederam neste cargo, que também fizeram a sua parte para que hoje a gente pudesse comemorar esse grande feito”, disse o prefeito Bruno Covas.

Os números dão resultado às ações realizadas nos últimos anos, entre elas a construção e entrega de 12 Centros Educacionais Unificados (CEUs), que atendem apenas Educação Infantil. Foram 6.094 vagas criadas com essas unidades, além de levar cultura, lazer e esporte para 12 bairros diferentes na cidade. Também foram criados 469 Centros de Educação Infantil no período de 2017 a 2020, entre convênios e novas escolas. São 91 mil vagas criadas, superando as 85 mil do acordo com a justiça.

“Não temos hoje nenhuma criança aguardando por vaga em creche, com aproximadamente 5 mil vagas ociosas ainda na rede pública municipal, e quase 4 mil vagas credenciadas junto ao programa Mais Creche. Existem ainda 540 crianças que aguardam na fila por uma creche específica, porque as famílias preferem determinada unidade, apesar de a Prefeitura oferecer vagas em quatro ou cinco creches do entorno”, explicou o secretário municipal de Educação, Bruno Caetano.

A SME também pensou em ocupar vagas já criadas. Para isso, o Transporte Escolar Gratuito (TEG) da Educação Infantil e a inclusão do Segundo Endereço ampliam a área de matrícula para as famílias. O cadastro de um segundo endereço de referência na hora de buscar por uma vaga duplica as possibilidades e permite que os pais possam cadastrar uma localização como o trabalho, por exemplo.

Já o TEG aumenta o raio de matrícula em vagas com distância superior a 2km da residência. O programa permite tanto a ocupação de vagas remanescentes quanto o planejamento de implantação de novas Unidades em locais que não possuem mais uma demanda local expressiva no entorno até 5km.

Mais Creche
A Secretaria também pensou em alternativas para atendimento de crianças em regiões com poucos cadastros, onde não conseguimos abrir novas turmas e tão pouco implantar um novo CEI.

O programa Mais Creche possibilita compra de vaga em instituição de ensino privada, recebendo o mesmo atendimento que em uma unidade direta. As unidades particulares precisam de credenciamento na Secretaria Municipal de Educação. Atualmente 62 escolas se cadastraram.

Cabe dizer que o benefício tem caráter provisório e as crianças seguem sendo matriculadas preferencialmente em escolas da rede, sendo o programa uma alternativa.

Próximos passos
Como forma de garantir a continuidade do atendimento, a Prefeitura de São Paulo irá implementar o programa Mãe Paulistana Creche, com o objetivo de garantir a vaga em creche para as crianças, antes mesmo do nascimento. A iniciativa vai representar para a SME um avanço importante no planejamento das vagas, com quase 12 meses de antecedência, aumentando as chances de a fila continuar zerada.

Nos próximos anos, a previsão é de que 50 mil novas vagas sejam criadas para que a fila continue zerada. Por isso, todo o monitoramento da demanda será alinhado, junto à melhoria da gestão e fiscalização de toda rede parceira de creches, que será feita de forma automatizada.

Com informações da prefeitura de São Paulo