Prefeitura de SP libera retorno das aulas presenciais na cidade a partir de 1-Fev com 35% de alunos

Escolas poderão funcionar inicialmente com 35% da capacidade. Gestão Covas decidiu seguir cronograma estadual e permitir abertura de toda a rede em 2021. Na rede municipal, aulas retornarão no dia 15 de fevereiro, mas rede privada tem autorização para iniciar antes.

A Prefeitura de São Paulo autorizou o retorno das aulas presenciais na cidade a partir do dia 1° de fevereiro. As escolas de toda a rede de ensino poderão incialmente operar com 35% da capacidade. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (14) durante coletiva de imprensa virtual da gestão municipal.

“A Vigilância Sanitária do município então recomenda o retorno seletivo para toda a rede de ensino no município privada e pública a partir de 1º de fevereiro, com a capacidade de 35% desses equipamentos a serem ocupados”, disse o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido.

Na rede municipal, o retorno dos alunos será feito no 15 de fevereiro. Entretanto, a rede particular tem autorização para iniciar antes, se assim desejar.

“Na rede privada, cada escola vai definir a partir do dia 1º como será o seu retorno, se quer fazer igual a rede municipal, ter um planejamento e então retomar, ou se quer já começar imediatamente”, afirmou o secretário municipal de Educação, Fernando Padula.

A secretária-adjunta de Educação, Minéia Fratelli, disse que os primeiros 15 dias serão usados para acolhimento dos professores e preparação das escolas, e destacou que a presença dos alunos não será obrigatória.

“Os familiares podem optar pelo retorno das crianças ou não. Então, a gente vai fazer essa pesquisa com os familiares. Pode ser que eu tenha escolas que eu tenha que fazer um rodízio, porque mais de 35% querem voltar, ou outras que eu posso atender todos os dias, diariamente, porque só 35% querem voltar”, explicou.

De acordo com o cronograma divulgado nesta quinta (14), na rede municipal, equipes das Unidades Básicas de Saúde (UBS) farão o acompanhamento das crianças, educadores e pais durante o processo de retorno.

A prefeitura ainda afirma que vai selecionar algumas instituições para fazer um monitoramento mais detalhado, que será usado para balizar os índices de contaminação em cada região do município.

“Nós vamos escolher nas 28 áreas de vigilância sanitária do município, uma escola que será acompanhada durante os 14 dias, o ciclo do sars-cov-2, será acompanhada e nessa escola teremos todos os dados de alunos, funcionários e pais, e ela será referência para nós naquele território de vigilância sanitária. Vamos acompanhar todas as escolas, mas essa escola sentinela será a referência de como será esse retorno de aula e eventualmente as decisões que serão adotadas”.

Ao contrário da determinação do governo estadual, inclusive aprovada pelo Conselho Estadual de Educação, as escolas municipais não irão obrigar o retorno presencial de todos os alunos, deixando às famílias a escolha de enviar ou não os filhos para as aulas.

Segundo o secretário municipal de saúde, não foram encontradas evidências de que crianças de 4 a 14 anos aumentem a transmissão de covid 19, em resultado apurado após análise do 4º inquérito sorológico escolar realizado pelo município.

A prefeitura garante que todas as cerca de quase 4 mil escolas do município estão preparadas para receber os alunos de forma segura, mas adianta que fará uma vistoria nos próximos 15 dias em todas elas para verificação das instalações, e em caso de alguma inadequação em determinada escola esta não reabrirá.

Com informações do G1 e UOL