Em fila de prioridade da vacina, trabalhadores da educação e de transportes ficam atrás de moradores de rua e presos

O novo plano que estabelece a ordem e o público prioritário para vacinação contra Covid-19 foi divulgado na quinta-feira, 28, pelo governo federal, e confirma a inclusão de novas categorias, como caminhoneiros, motoristas do transporte coletivo e membros das Forças Armadas.

A lista total tem 27 categorias, entre elas contingentes que já havim sido definidos como prioritários, como idosos e pessoas com comorbidades. Com a alteração, mais de 1/3 dos brasileiros se encaixa nos critérios prioritários, em total atualizado de 77,2 milhões, contra 51 milhões da primeira lista divulgada antes.

O grande problema é que para quase 80 milhões de prioritários só existe no país até agora disponíveis um número aproximado de 13 milhões de doses de vacina, inclusas as quase 11 milhões de doses da Coronavac/Butantan e as 2 milhões da AstraZeneca/Oxford.

Segundo o Ministério da Saúde, a nova lista foi decidida em concordância com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), a partir dos príncipios da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Importante frisar que essa lista é apenas uma recomendação do Plano de Vacinação e do Programa Nacional de Imunizações (PNI), pois estados e municípios têm autonomia para montar seu próprio esquema de vacinação e dar vazão à fila de acordo com as características de sua população e doses recebidas.

Veja abaixo a nova lista dos grupos prioritários, em ordem preferencial:

  • Pessoas com 60 anos ou mais e que estejam institucionalizadas
  • Pessoas com deficiência institucionalizadas
  • Povos indígenas vivendo em terras indígenas
  • Trabalhadores de saúde
  • Pessoas de 80 anos ou mais de idade
  • Pessoas de 75 a 79 anos de idade
  • Povos e comunidades tradicionais ribeirinhas
  • Povos e comunidades tradicionais quilombolas
  • Pessoas de 70 a 74 anos de idade
  • Pessoas de 65 a 69 anos de idade
  • Pessoas de 60 a 64 anos de idade
  • Pessoas que possuam comorbidades
  • Pessoas com deficiência permanente grave
  • Pessoas em situação de rua
  • População privada de liberdade
  • Funcionários do sistema de privação de liberdade
  • Trabalhadores da educação do ensino básico (creche, pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizantes e EJA)
  • Trabalhadores da educação do ensino superior
  • Forças de segurança e salvamento
  • Forças Armadas
  • Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros
  • Trabalhadores de transporte metroviário e ferroviário
  • Trabalhadores de transporte aéreo
  • Trabalhadores de transporte aquaviário
  • Caminhoneiros
  • Trabalhadores portuários
  • Trabalhadores industriais

Com informações da Veja