Prefeitura de SP vai contratar 5 mil mães de alunos para ajudar a cumprir protocolos nas escolas

A Prefeitura de São Paulo vai contratar cinco mil mães de alunos da rede pública municipal para trabalhar nas escolas como agentes de protocolos de saúde contra o coronavírus.

Elas serão responsáveis por aferir a temperatura dos estudantes na entrada, higienização dos equipamentos de uso coletivos, além de fiscalizar o cumprimento das medidas de distanciamento e uso correto da máscara e do álcool gel.

A proposta ainda está sendo elaborada pela gestão municipal, mas será voltada para mulheres desempregadas. Elas vão receber um salário de R$ 1.155 mensais por 30 horas semanais de trabalho durante a vigência do contrato, que deverá ser de seis meses.

Segundo a Secretaria Municipal de Educação, mais detalhes do projeto serão divulgados nos próximos dias, porém ontem mesmo (16/fev) já foi divulgada o local de inscrição, que será online.

Para as mães que desejam se candidatar na seleção para agente de protocolo nas escolas, as inscrições foram prorrogadas até as 17h desta quinta-feira, dia 18, através do site: http://www.bit.ly/potmulheres.

A medida tenta melhorar a estrutura das escolas principalmente na questão de segurança contra Covid-19. A rede municipal retomou as atividades presenciais nesta segunda (15).

As mães deverão ter entre 18 e 50 anos de idade, estar desempregada há mais de quatro meses, além de não receber benefícios como seguro-desemprego. A renda familiar também não poderá exceder meio salário-mínimo.

Cada escola da rede municipal deverá ter três mães para o trabalho de monitoria. A prefeitura ressalta que as contratadas “não substituirão os trabalhadores efetivos ou terceirizados que atuam nas unidades educacionais”.

A contratação e captação serao feitas pela secretaria municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, que gerencia o POT (Programa Operação Trabalho) desde a sua criação, há 20 anos. O modelo é o mesmo que já foi utilizado para ações envolvendo dependentes químicos, população LGBTI e zeladoria de praças, entre outros. Só entre o período de 2017 a 2020, 4.000 pessoas passaram pelo programa.

No caso das agentes de protocolo que irão trabalhar nas escolas municipais, será dada preferência para mães de alunos desempregadas há quatro meses e que morem próximo às escolas e se enquadrem em condição de vulnerabilidade social. Elas irão atuar em unidades tais como Emefs (escolas municipais de educação fundamental), Ciejas (centros Integrados de educação de jovens e adultos) e CEUs (centros educacionais unificados).

AGENTES DE PROTOCOLO NAS ESCOLAS

O que é

A prefeitura contratará 5 mil mães de alunos para auxiliar nos protocolos sanitários nas escolas da rede municipal de ensino.

O que elas farão?

  • Medir a temperatura das crianças na entrada da escola;
  • Fiscalizar o distanciamento entre os estudantes;
  • Observar se as crianças estão usando máscaras corretamente;
  • Verificar o uso correto de álcool em gel;
  • Higienizar equipamentos de uso coletivo

Quem pode se candidatar?

Mães de alunos, que sejam maiores de 18 anos e menores de 50 anos (a mãe e não o aluno), e que morem na capital.

Requisitos

  • Estar desempregada há mais de quatro meses;
  • Não receber benefícios tais como seguro-desemprego, FGTS, entre outros;
  • Ter renda familiar não superior a metade de um salário mínimo (somado todos os integrantes da família);
  • Fornecer autodeclaração de inexistência de doenças preexistentes;

Carga horária

30 horas semanais, sendo 24h de efetivo trabalho e 6h de participação em cursos

Bolsa

R$ 1.155

Inscrições

Para as mães que desejam se candidatar na seleção para agente de protocolo nas escolas, as inscrições vão somente até esta quinta-feira (18/fev), até as 17h, através do site: http://www.bit.ly/potmulheres.

Com informações dos portais G1, UOL e Agora.