Servidores da educação de Porto Alegre decidem entrar em greve a partir de 1/mar, início das aulas presenciais

A partir da próxima segunda-feira, servidores municipais da educação de Porto Alegre irão entrar em greve. A decisão, tomada após a assembleia geral do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), é uma resposta à posição da prefeitura, que optou pela retomada nesta quarta das aulas presenciais na Educação Infantil e nos primeiros e segundo anos do Ensino Fundamental.

Segundo o Simpa, mais de 600 pessoas participaram da assembleia, realizada de forma online na noite dessa terça. A pauta era justamente a educação. O sindicato alega falta de segurança sanitária por conta do avanço do novo coronavírus na Capital. Além da disseminação do vírus, o número de internações na cidade aumentou nos últimos dias.

O Rio Grande do Sul registrou, ontem, 87% de ocupação dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Este é o maior índice desde o início da pandemia do novo coronavírus. Pela primeira vez, mais da metade dos pacientes internados no Estado são de casos confirmados para a Covid-19.

O ritmo das internações relacionadas à Covid-19 preocupa a administração municipal em Porto Alegre, tanto que o prefeito Sebastião Melo passou o dia de ontem em Brasília para garantir a ampliação de leitos de retaguarda na cidade. O objetivo é reforçar o atendimento na Capital no momento em que o sistema de saúde apresenta taxa de ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) acima de 96% de lotação.

Com informações do Correio do Povo