Governo de São Paulo inclui educação como atividade essencial, e aulas presenciais devem ser mantidas

A partir de agora, a educação será priorizada dentro das ações do Plano SP de flexibilização econômica na pandemia.

O governo de São Paulo passou a considerar a educação como atividade essencial durante a pandemia de covid-19 a partir de sábado (27), após decreto publicado no Diário Oficial.

A gestão de João Doria (PSDB) já havia anunciado nesta sexta (26) que mudaria a classificação da educação básica em instituições públicas e privadas.

A partir de agora, a educação será priorizada dentro das ações do Plano SP de flexibilização econômica na pandemia.

Para o governo, as escolas “têm papel que vão além do ensino aprendizagem. Essas unidades contribuem para a segurança alimentar, socialização, saúde mental, integridade física e proteção social de seus estudantes”.

O secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, afirmou que avalia a decisão como necessária.

“Não sei se as pessoas conseguem entender quão importante é isso para nosso futuro como país. Estamos falando de ir além do ensino e da aprendizagem de crianças e jovens. Sem educação não há ciência, não há medicina, não há vida. Portanto, precisa ser essencial”, destaca o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares.

Segundo publicação no seu portal institucional: “O Governo de SP acredita que as escolas, principalmente as que atendem alunos da educação infantil até o ensino médio, e portanto, compreende a educação básica, têm papel que vão além do ensino aprendizagem. Essas unidades contribuem para a segurança alimentar, socialização, saúde mental, integridade física e proteção social de seus estudantes. A escola garante acolhimento, direitos sociais e construção do futuro.”

Com informações do R7 e Governo de São Paulo.