SP, ES, PR e DF estimam data para vacinação de professores contra COVID-19

No dia 24 de março, o Governo de São Paulo anunciou uma data para o início da imunização de professores contra a COVID-19: 12 de abril. No último sábado (26), Espírito Santo, Paraná e Distrito Federal também revelaram suas estimativas para o início da vacinação dos docentes. Acontece que os professores integram um grupo prioritário, com direito a doses previstas para 4 milhões de pessoas.

Em São Paulo, a ideia é contemplar inicialmente os professores da Educação Básica com mais de 47 anos, idade em que a incidência de casos moderados e graves da COVID-19 é mais alta. “São Paulo é o estado que mais vacina no Brasil, com velocidade, eficiência e um programa estadual bem elaborado na logística e ação coordenada com as prefeituras. É isso que está permitindo uma vacina efetivas, eficiente, sem perdas e com velocidade”, afirmou o governador João Doria.

O governo paulista anunciou, ainda, 350 mil doses da vacina destinadas a imunizar os professores e profissionais da educação que atuam nas escolas desde creche ao ensino médio nas redes estadual, municipal e privada do Estado.

“Após um ano da data em que tivemos que tomar a dura decisão de fecharmos as escolas de SP por conta da COVID-19, hoje anunciamos a vacina para 350 mil professores e demais profissionais da Educação. São doses de esperança, para que as escolas não fechem mais e nossos estudantes possam recuperar e seguir o percurso de aprendizagem”, afirmou o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, na ocasião. O pré-cadastro acontecerá no portal VacinaJá.

Enquanto isso, no Espírito Santo, a previsão envolve vacinar os professores a partir do dia 15 de abril, conforme informações da própria Secretaria Estadual de Educação. Já no Paraná, a expectativa é começar a imunização de profissionais da educação no dia 31 de maio.

O Distrito Federal, por sua vez, planeja vacinar pelo menos 50 mil profissionais da área da educação, (25,9 mil professores efetivos, 10,5 mil professores temporários e 8,8 mil da carreira da assistência, além de aproximadamente 5 mil merendeiras, copeiras e colaboradores da limpeza e da vigilância). Segundo o governo do DF, as doses serão aplicadas já no próximo recebimento de vacinas.

No início de março, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, anunciou que havia pedido a inclusão dos profissionais de educação no Plano Nacional de Imunização. O Ministério da Saúde revelou que os professores já estavam entre os prioritários e que, naquele momento, não havia “ampla disponibilidade da vacina no mercado mundial”.

Com informações do Uol, G1 e Governo de São Paulo.