Professores da rede pública do DF descartam volta às salas de aula em agosto

Educadores alegam que muitos ainda não terão tomado a segunda dose da vacina contra a Covid na data prevista para o retorno.

Os professores da rede pública do Distrito Federal dizem que a categoria não terá condições de voltar às aulas presenciais em agosto, como previsto pela Secretaria de Educação. Os docentes entendem que muitos ainda não terão tomado a segunda dose da vacina contra a Covid-19 e, portanto, não aceitarão ser expostos à infecção.

“Não voltamos sem a vacina. E no ritmo em que estamos, não vamos conseguir concluir até agosto”, alertou a diretora do Sindicato dos Professores do DF (Sinpro-DF), Rosilene Correa. “Há uma morosidade no processo de imunização e isso distancia o retorno das aulas presenciais”, pontuou.

O sindicato defende a adoção de providências para o retorno. “É preciso, ainda, ter uma proposta pedagógica e recuperação desses alunos na pandemia. Mais de 100 mil estão fora da escola do DF”, destacou.

Veja algumas medidas sugeridas pelos educadores:

  • Adequações e troca de janelas nas escolas para garantir a ventilação;
  • Reduzir do número de alunos em sala de aula;
  • Planejamento para aulas híbridas;
  • Banheiros adequados com torneiras funcionando;
  • Mais profissionais para controlar o acesso das escolas;

Para a Associação de Pais e Alunos das Instituições de Ensino do Distrito Federal (Aspa-DF), as escolas públicas devem voltar com aulas presenciais opcionais, como na rede particular. “Há a necessidade da divulgação dos boletins epidemiológicos de cada colégio para os protocolos”, afirmou o presidentge da entidade, Alexandre Veloso.

A Aspa solicitou para a Secretaria de Educação o planejamento para a volta das aulas presenciais, a fim, inclusive, de preparar os alunos ao novo ambiente de ensino. Mas até quarta-feira (9/6) não havia recebido resposta oficial.

“Há uma necessidade de preparos. Por exemplo, como será a merenda escolar? Há preocupação com o transporte escolar, que tem de ter distanciamento, os carros precisam ser higienizados. Isso não foi apresentado de maneira oficial para os pais”, arrematou Veloso.

Com informações do Metrópoles