Governo de SP libera que escolas retomem atividades presenciais para 100% dos alunos a partir de Agosto

A partir de agosto, após o período de férias de julho, as escolas do Estado de São Paulo poderão determinar a quantidade de alunos na volta às aulas presenciais em 01º de agosto de 2021.

A informação foi divulgada nesta quarta-feira, 16 de junho de 2021, em entrevista coletiva no início da tarde pelo governador João Doria e pelo secretário de Educação, Rossieli Soares.

A volta às aulas presenciais, entretanto, ainda não serão obrigatórias em 01º de agosto.

As escolas, se quiserem, pode trabalhar com todos os alunos matriculados, desde que respeitem a regra de um metro de distância entre os estudantes.

Hoje a regra determina até 35% da capacidade e 1,5 metro de distanciamento.

Se a instituição de ensino verificar que não tem condição de atender ao distanciamento de um metro entre os alunos, poderá ainda fazer revezamento de frequência e parte do aprendizado em casa.

O Governo do Estado prometeu três milhões de testes para a volta às aulas, a serem aplicados em alunos, professores e demais funcionários.

Segundo o secretário, estudos demonstram evasão escolar acima de 35% no Estado por causa da pandemia e da demora em recuperar o aprendizado, em especial em matérias como matemática.

A reabertura das atividades presenciais nas escolas começou gradativamente no Estado de São Paulo em setembro de 2020.

Rossieli disse ainda que com a vacinação de todos os profissionais de educação com 18 anos ou mais, que está em curso, há mais segurança para este retorno com maior quantidade de alunos.

O secretário afirma que o plano de volta às aulas em São Paulo será elaborado por unidade escolar, de acordo com a estrutura da escola e o número estudantes matriculados naquela unidade. “Se uma escola com capacidade para 3 mil, tem 300 estudantes, ela pode receber 100% dos estudantes, mantendo 1 metro de distanciamento. Se isso não for possível, ela vai manter o rodízio. E, durante o mês de agosto, ainda não será obrigatória a volta às aulas presenciais”, afirmou.

Com informações do G1, UOL e Diário dos Transportes