Senado discute aumentar investimentos em alimentação e transporte escolar para recuperar efeitos da pandemia

Para recuperar as perdas educacionais ocorridas durante a crise sanitária, o país precisa aumentar os recursos do setor, afirmaram especializadas em debate na subcomissão sobre o ensino na pandemia.

O Brasil precisará nos próximos anos aumentar os investimentos na alimentação e no transporte escolar, e na implantação do padrão mínimo de qualidade do ensino previsto no Plano Nacional de Educação.

Nalú Farenzena, presidente da Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação, lembrou que o sistema público oferece quase 39 milhões de matrículas por ano e atinge 80% dos estudantes do País em 140 mil escolas. Ela afirmou ainda que a pandemia impôs uma reformulação temporária na estrutura do ensino, mas que a mudança não alcançou todos os alunos.

Sabemos da histórica desigualdade social e educacional no Brasil que é desfavorável aos pobres, aos negros, aos indígenas, aos migrantes, aos moradores de áreas rurais, e são justamente esses segmentos os mais afetados durante a pandemia. A estratificação de oportunidades educacionais no Brasil é muito associada aos níveis de renda.

O diretor do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Herton Araújo, apontou que a mudança na rotina de aprendizado provocou traumas nas crianças e nos professores. Ele destacou a necessidade de garantir suporte psicológico e tecnológico nas escolas para apoiar eventuais novas interrupções no ensino presencial.

Os alunos, com essa interrupção, eles vão voltar traumatizados porque eles tinham o costume, eles iam para aula todo dia e de repente isso foi cortado, eles passaram a ficar em casa. Então, para gente poder retomar a aprendizado, eu acho que as escolas têm que contratar psicólogos porque mudou muito radicalmente o dia-a-dia, aumentaram muito os problemas mentais.

O senador Flávio Arns, do Podemos do Paraná, explicou que durante todo o ano que vem a subcomissão vai continuar funcionando, para acompanhar a implementação das iniciativas propostas pelos especialistas que participaram dos debates.

Essa subcomissão no ano que vem se dedicará bastante para o acompanhamento de implementação de ações decorrentes dessas audiências públicas, tanto que a duração dessa subcomissão foi prorrogada até o final do ano que vem.

Esta foi a oitava audiência pública para avaliar os impactos da pandemia no ensino básico e discutir ações estratégicas para os próximos anos, com o objetivo de garantir a recuperação de perdas no setor.

Com informações da Rádio Senado